Boa notícia para quem possui um animal de estimação e quer imigrar para o Canadá e levar o bichano: é mais fácil do que parece. Se levarmos em consideração as regras para transportar animais para países da Europa ou Austrália, por exemplo, o Canadá é um dos territórios menos rigorosos em suas exigências para a entrada de animais de estimação.

O país possui um Programa Nacional de Saúde Animal, regulado pela Canadian Food Inspection Agency (CFIA), que estabelece algumas regras para importação de animais e produtos de origem animal, sendo que as exigências aplicam-se para: entrada de animais de forma permanente no país, animais em trânsito no território e permanência temporária de bichos dentro de suas fronteiras.

Embora as regras sejam mais flexíveis, não quer dizer que é só entrar no avião e embarcar. Primeiramente, isto deve estar no seu planejamento desde o início, pois demanda tempo, custos e idas ao veterinário e aeroporto. Ademais, para quem pretende viver em terras canadenses, é interessante saber que, na maioria das províncias, os animais podem até andar no transporte público sem problemas, desde que estejam com guias. A cidade de Toronto, inclusive, já foi considerada uma das mais pet-friendly do mundo e a maioria dos canadenses ama os animais.

*Para saber mais sobre como começar seu planejamento para imigrar, acesse este link.

Abaixo elaboramos um passo a passo de como proceder no caso de viagem com os pets. As regras valem tanto para cães como para gatos. No final do artigo, caso você possua uma espécie diferente de animal de estimação, pode encontrar links específicos para mais informações. Além disso, temos uma entrevista exclusiva com a gerente da Immi Canada, Deborah Calazans, que levou sua bulldog francês Frida para morar no True North.

animal

Primeiro passo

Antes mesmo de comprar as passagens você tem de pesquisar e verificar com as companhias aéreas como irá funcionar o transporte do seu animalzinho, visto que cada uma das empresas estipula suas próprias normas e existe limite de animais por voo. Geralmente os com até 10 quilos podem ir na cabine, sem necessitarem de documentação adicional. De 11 a 32 quilos, que é o peso máximo, eles são despachados no compartimento de carga, em ambiente climatizado. É importante verificar as medidas da caixa ou bolsa que você vai levar o animal com a empresa.

“Levamos a Frida na cabine, ela é bulldog francesa, então por ser considerada braquicefálica (cachorros de fucinho achatado), não poderia viajar no compartimento de carga. Ela tem sete anos, é pequena, mas como todo bulldog é gordinho, então antes da viagem ela teve que emagrecer um pouquinho. Fiz a escolha da companhia aérea de acordo com a Frida. Acabei optando pela United Airlines, pois não tinha limite de peso, ela somente deveria caber na bolsa, com as dimensões estipuladas pela empresa. Nós mandamos fazer uma bolsa flexível para ela e dois meses antes de viajar fizemos a adaptação. Não tivemos nenhum problema, nem na imigração do Canadá e muito menos nos EUA, onde fizemos escala. Estávamos com todos os documentos exigidos então foi tudo bem tranquilo”, conta Deborah.

*Para cães braquicefálicos com mais de 10 quilos, o procedimento para viagem na cabine é possível, porém mais burocrático. Consulte sua companhia aérea e saiba mais informações.

Segundo passo

A segunda parte é relacionada às vacinas. O animal deve estar com a imunização em dia, especialmente no que diz respeito à antirrábica, visto que o Brasil não é considerado livre da doença. Ela é a principal vacina exigida pelo governo canadense, sem ela o seu animal de estimação não pode viajar. E a dose deve ter sido aplicada com pelo menos dois meses de antecedência a partida. Quando o veterinário realizar a aplização, peça a ele para ser o mais detalhista possível ao anotar na carteira de vacinação, colocando data, número de série, período de imunização e outros detalhes que achar necessário.

Após a vacina, também com o seu veterinário, deve ser feito o atestado de saúde do animal. Neste documento vão todas as características do pet, além de dados a respeito das vacinas. “Para o Canadá o cachorro tem que estar com a vacina da raiva em dia, a partir disso, pedimos para o veterinário da Frida fazer um atestado, falando que tudo está em dia, que não apresenta nenhum tipo de problema de saúde e etc. Nós solicitamos o documento em português e inglês, para garantir. Mas o em inglês não foi necessário, pois o que realmente vale para a imigração, é o Certificado Zoosanitário Internacional (CZI). Para conseguí-lo, levamos o atestado médico, carteira de vacinação e um formulário (clique aqui para acessar) preenchido, em horário pré-agendado no órgão emissor do documento, que fica nos aeroportos e pronto, sem maiores problemas”, relata a gerente da Immi.

animal

*O governo brasileiro disponibiliza um modelo de atestado de saúde do animal. Clique aqui para acessar o exemplo.

Terceiro passo

O terceiro passo é a retirada do CZI. Com o atestado de saúde em mãos, você pode agendar a data para apresentar os documentos no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que possui centro de atendimento nos aeroportos internacionais do Brasil. Um detalhe importante aqui é que o atestado de saúde, emitido pelo seu veterinário, não pode ser antigo. Ele deve estar datado de, no máximo, 10 dias anteriores. Além disso, a requisição do CZI também deve ser bem próxima a data de embarque, pois ele só é valido por cinco dias para os EUA e 10 dias para os demais países (desde final do mês passado os EUA permitem um certificado online para animais de companhia provenientes de alguns países. Clique aqui e saiba mais).

“Com essa declaração (atestado) e mais documentos que, no caso do Canadá é o formulário preenchido mais a carteira de vacinação, originais e cópia, agendei a ida na MAPA do aeroporto. Foi bem simples e nem precisei levar a Frida. Quando fiz o agendamento, me passaram um endereço de email, que eu deveria enviar um correio eletrônico confirmando a minha ida no dia agendado pelo telefone. Fiz isso e eles responderam com o link onde pude baixar o exemplo do formulário e também os próximos passos e instruções de preenchimento. O site é bem explicado e muito bom”, declara a profissional.

animal

animal

Quarto passo

Com os documentos em dia é hora de embarcar. Cada companhia aérea cobra uma taxa para animais de estimação, que pode ser diferenciada se o bichano vai na cabine ou no compartimento de carga. Esta tarifa é paga no checkin e o animalzinho irá receber uma espécie de e-ticket, que deve ser guardado durante a viagem.

O ideal, em ambas as viagens, é deixar o animal cerca de seis horas sem se alimentar e duas horas sem tomar água. Lembrando que é terminantemente proibido levar qualquer tipo de alimento para animais na bagagem, tanto de mão quanto despachada. “Na imigração canadense, pediram somente o CZI. Como fizemos escala nos EUA, eu estava preocupada com esta parte, mas lá não pediram nenhum documento, não olharam nada. Em toda a viagem o pessoal foi super prestativo, em todos os lugares”, comemora a dona da Frida.

animal

Quinto passo

Chegamos ao Canadá! No país, o departamento responsável vai pedir o CZI do animal e verificar se está tudo bem com seu pet. Lembrando que eles podem pedir documentos adicionais, portanto é bom levar a carteira de vacinação com você e caso os profissionais achem que o pet tem algum problema, ele pode até ser proibido de entrar no país. Além disso, é cobrada uma taxa de cerca de CAD$ 35,00 por animal (CAD$ 30,00 + impostos).

Finalmente, chega o período de adaptação, passear na neve e cuidados com seu animalzinho em terras canadenses. Com relação a adaptação, Deborah diz que a Frida não gostou muito do frio logo de cara e levou um tempo para querer passear. “Apesar de não ser nenhum problema, a Frida custou um pouco a querer andar, com chuva, frio e neve, ela ficou um pouco receosa e reparamos um ressecamento de pele por conta da calefação. Mas depois de alguns passeios ela se acostumou e adorou brincar na neve”.

Com relação ao serviço veterinário no país, a gerente da Immi Canada ressalta a importância de se fazer um seguro de saúde do bichano. “O serviço veterinário no Canadá, embora seja de qualidade, possui preços elevados, por isso é interessante optar por um plano de saúde. Existem vários no mercado e cada um deles tem diferentes opções de cobertura. O custoso aqui não é a consulta, mas são os procedimentos e medicamentos”. Por fim, ela indica um grupo no Facebook para quem pretende levar o animal de estimação ao país, que é o Pets Brazucas no Canadá.

Fonte: http://inspection.

Fabíola Cottet

Comentários Facebook
The following two tabs change content below.