A consultora de imigração da Immi Canadá, Celina Hui, e o diretor educacional da 3RA Intercâmbio, Francisco Zarro, realizaram, na última quarta-feira (20 de dezembro), o último Webinar do ano, onde falaram do balanço de 2017 e das perspectivas para a imigração em 2018, também respondendo a diversas dúvidas dos participantes.

O evento é realizado periodicamente e é gratuito, para assitir basta se inscrever antes do encontro. Celina destacou a menor pontuação da história do Express Entry (EE), que aconteceu entre abril e maio deste ano (2017), quando o score baixou para 413. A profissional também falou, como pontos positivos da imigração canadense do período, o fato da idade dos dependentes voltar a ser 22 anos e a nova regra para quem já possui a residência permanente e vai aplicar para a cidadania, na qual o tempo de permanência no país diminuiu e os meses de estudo ou visto de trabalho podem contar para o processo (acesse mais informações clicando aqui e também neste link).

Já o diretor educacional falou a respeito da mudança da norma que limitava a carga horária de trabalho dos estudantes durante o período de férias. Antes o governo permitia um total de 40 horas semanais quando o aluno estivesse sem aulas. Agora esta regra foi abolida e não há limitações. Lembrando que isto só vale para os intervalos do college ou university, durante os meses em que o aluno estiver frequentando a instituição, as 20 horas, ou o part-time, continuam valendo. Ele também ressaltou a redução de valores do sistema de saúde de Vancouver, que entra em vigor a partir de 2018 (clique aqui para ver as diferenças da saúde pública no Canadá entre as províncias).

celina hui

Perguntas e respostas

O Webinar seguiu com os especialistas respondendo as perguntas dos espectadores, selecionamos algumas que também são feitas, com mais frequência, aos nossos profissionais, tanto do Brasil quanto no Canadá, confira abaixo.

– Existe a possibilidade da pontuação do Express Entry baixar para 400 ou menos?

Celina e Zarro concordaram que uma pontuação abaixo disso é praticamente inviável. Em alguns casos específicos, para profissões determinadas e em processos provinciais que passam pelo pool do EE, isto acontece, mas são exceções. “Eu prefiro ser realista e pé no chão e trabalhar com o perfil do candidato para aumentar a pontuação, do que não aconselhar e fazer com que o mesmo entre no processo e não seja chamado”, ressaltou. Além disso, a imigração não dá uma previsão da nota de corte, então não tem como prever um número.

– Como funciona o visto de trabalho para o cônjuge durante o Post-Graduation Work Permit (PGWP) ?

O PGWP é concedido a todos os estudantes que se formaram no Canadá em um curso full-time ou equivalente, ministrado por uma instituição designada e cadastrada pelo governo canadense (confira a lista aqui). Porém, o cônjuge só conseguirá estender seu Open Work Permit (OWP) se o estudante, após concluídos os estudos, obtiver uma oferta de emprego full-time nos NOCs 0, A ou B. O especialista da 3RA Intercâmbio destacou que o desempenho no college, ou seja, as notas do aluno, não interferem na concessão do PGWP.

– A projeção do número de imigrantes até 2020 se confirma?

Celina foi enfática ao dizer que sim, a projeção de cerca de um milhão de imigrantes está confirmada, sendo que o número será distribuído ao longo dos próximos três anos. Veja o artigo completo que fizemos a respeito neste link www.immi-canada.com/canada-um-milhao-de-imigrantes-2020/.

celina hui

– Comprovação financeira pode ser em conta do cônjuge, ou a quantia deve estar no nome do aplicante principal?

A resposta dos profissionais é de que tanto faz, sendo que também pode existir um sponsor, ou patrocinador, que tenha a quantia ou parte dela, sendo a comprovação financeira para fins de residência permanente ou residência temporária. O valor também pode ser composto pelas duas partes do casal.

– No caso de uma graduação, o que conta pontos no EE, é preciso validar o diploma?

A consultora de imigração explicou que não, não é necessário validar o diploma para receber os pontos no processo que a ele cabem. Porém existe uma diferença entre validar e reconhecer. A validação é feita, geralmente, no caso das profissões regulamentadas e para trabalhar na área no país. O que deve ser feito é a equivalência do documento, por órgãos certificados pelo governo canadense e aceitos pela imigração. Veja no link o texto completo a respeito do assunto: www.immi-canada.com/wes-canada-reconhecer-diploma/.

– Para o EE, estágio remunerado pode contar como experiência profissional?

Sim, pois é um trabalho remunerado e conta no pool do Express Entry.

– Qual é o momento certo para contatar a Immi Canadá e a 3RA Intercâmbio?

O diretor da 3RA explica que o tempo ideal para procurar a consultoria, no caso de um college no Canadá, seria em torno de um ano antes da data de embarque, pois sobra uma certa folga de tempo para possíveis mudanças e imprevistos. Mas ambos indicam a consulta de imigração com a Immi Canadá, para análise do perfil e de todas as possibilidades possíveis.

– A questão da idade é muito importante?

Depende da área. “Para o Express Entry, por exemplo, você pontua o máximo possível até os 30 anos, atingindo os 100 pontos na questão. Portanto, a idade é sim levada em consideração por este processo. Não quer dizer que após os 30 o candidato não consiga imigrar, o número final vai caindo conforme os anos passam”, explicou Celina. Zarro complementou que, para empregabilidade, por exemplo, quantos anos o aplicante possui não faz diferença para quase nenhum profissão, tanto que no Canadá não se coloca a idade no currículo.

– Quanto um casal deve levar, em média, para se sustentar nos primeiros meses até conseguir um emprego?

“Sempre pedimos aos nossos clientes uma garantia para quatro meses, o que é um período considerável e com uma certa folga para se estabilizar no país”, explica o diretor educacional.

IMPORTANTE: Celina ressaltou que existe um detalhe que, por vezes, passa despercebido entre os casais que vão para o Canadá: para que ambos entrem no mesmo processo de imigração, precisam ser casados ou ter união estável. Porém, o documento que comprova a união estável no Brasil não é aceito pelo governo canadense.

Para o Canadá, é preciso comprovar que o casal vive no mesmo endereço por meio de outros documentos, com um formulário próprio fornecido dentro da imigração. O que pode servir de prova são correspondências enviadas com os nomes de cada um, individualmente, para o mesmo endereço, extrato bancário de conta conjunta, fotos de redes sociais e status, contrato de aluguel, dentre outros. Por fim, é extremamente importante comprovar a convivência por 12 meses.

O Webinar teve a duração de uma hora e esclareceu várias dúvidas, caso você não tenha assistido e queira conferir na íntegra, basta acessar o link https://events.genndi.com/replay/169105139238458878/e2e93a8e21/0/. Os especialistas e a equipe estão sempre disponíveis, basta mandar email para [email protected] ou  [email protected].

Fabíola Cottet

Comentários Facebook
The following two tabs change content below.

Fabiola Cottet