Saiba como funciona o ensino superior no Canadá!

O sistema de ensino no Canadá é igual ao do Brasil, certo? Tem ensino fundamental, ensino médio, cursos técnicos, universitários, mestrado e doutorado, certo? Hmm… será?

É verdade que o sistema como um todo por aqui é muito parecido com o nosso em alguns aspectos, mas existem algumas diferenças fundamentais que devem ser observadas se você tem interesse em seguir seus estudos por aqui.

A lógica quanto à sequência da educação continua sendo a mesma: para fazer o ensino médio você precisa ter passado pelo ensino fundamental, para fazer um curso profissionalizante ou universitário você precisa estar no final do ensino médio ou já ter encerrado o ensino médio. Para fazer mestrado você precisa ter feito um bacharelado, e assim por diante.

A nomenclatura, no entanto, muda bastante. E também muda a organização geral dos cursos, as matérias, assim como os requerimentos para que o estudante seja aceito (o que é muito importante principalmente quando o caso é mestrado ou doutorado).

 

Programs, courses, majors e minors

No Canadá, não podemos traduzir “cursos” (como conhecemos no Brasil) como “courses”. O motivo? Um “course” no Canadá é uma “matéria” ou “disciplina” no Brasil. Se você quer dizer “eu cursei Filosofia”, querendo dizer que todos os seus 4 anos universitários foram dedicados à Filosofia, e disser “I took a philosophy course”, os canadenses irão entender que você fez uma matéria cujo assunto era Filosofia, independentemente do “curso” que você fez na universidade. “Cursos” brasileiros são equivalentes aos “programs” canadenses. Um “program” é um conjunto de “courses”, ou matérias.

No entanto, diferentemente do que acontece no Brasil, os programs canadenses não são fechados, ou seja, aqui é possível fazer alguns courses (matérias) fora do seu program. E aqui entramos no assunto de “majors” e “minors”. Dificilmente um canadense (ou americano, já que a lógica é a mesma), irá falar “Eu cursei Ciência da Computação” (“I had a program on Computer Science). Ele irá, sim, falar “Meu major é em (“I majored in”) Ciência da Computação”.

Um major é definido em termos de “core courses”, ou seja, matérias principais. São as matérias que fazem com que o program seja, de fato, focado em, por exemplo, Ciência da Computação. Além disso, existem as matérias (courses) eletivas, em que o aluno efetivamente escolhe, baseando-se, por exemplo, em seus interesses ou na relevância que aquele assunto terá para o mercado de trabalho, por exemplo. Essas matérias eletivas irão complementar os créditos (credits) do programa. Os créditos, por sua vez, são contados a partir de um sistema de pontuação, em que cada course (matéria) possui um número definido de credits, e, para se completar um program, é preciso completar um certo número de credits, o que é possível quando se somam todos os credits dos courses concluídos.

Minors, por sua vez, são formados por conjuntos menores de “core courses”, que são realizados em paralelo aos cursos do major. Assim, você pode sair da universidade com um major em Ciência da Computação e um minor em Filosofia. O minor possui “core courses” suficientes para ser classificado como pertencente à área da Filosofia, mas, ao mesmo tempo, não possui courses suficientes para ser considerando aprofundado à maneira de um major.

 

 

BA, BSc, Undergrad e Grad School 

No Brasil, quem faz um curso universitário se forma com um título de bacharelado (ou licenciatura, dependendo do caso e/ou do ano em que você se formou). No Canadá, quem faz um curso universitário sai da universidade com um BA ou um BSc. BA é a sigla para Bachelor of Arts, que geralmente é utilizada para cursos mais teóricos e focados na profissão como é praticada atualmente, ou seja, não são necessariamente muito focados em pesquisa para o avanço da profissão. Já BSc é a sigla para Bachelor of Science, que é destinada para cursos que dão bastante ênfase em pesquisa científica. É comum que uma universidade ofereça em seu “menu de cursos” dois cursos com um mesmo título (por exemplo, Ciência da Computação) mas que, na sequência, são diferenciados por um “BA” ou um “BSc”, de acordo com a ênfase dada à pesquisa científica em cada um deles.

Tanto o BA quanto o BSc são boas opções, dependendo do foco do estudante. Como ocorre para (quase) todas as coisas no mundo, não existe uma escolha que funcione para todo mundo, então o programa que irá funcionar melhor para você irá depender das suas prioridades. Se você deseja ingressar na profissão logo ao se formar (ou, de preferência, antes), talvez um BA seja uma melhor escolha, porém se você pretende ir para a área da pesquisa científica na sua profissão, um BSc pode abrir mais portas.

A experiência profissional também é importantíssima no caso de quem quer seguir em frente na carreira acadêmica. Por experiência profissional nós queremos dizer experiência direta em trabalhos de pesquisa científica. Trabalho voluntário, participação em grupos de estudos, participação em grupos de associações universitárias, presença em sala de aula, proximidade com os professores, etc. Tudo isso pode contar pontos valiosos, pois para um mestrado (Master’s Degree), ter referências é extremamente importante. E essas referências devem ser dadas por professores que realmente atuaram com você em projetos de pesquisa, idealmente por grandes períodos de tempo (6 meses, 1 ano, ou mais).

O nosso “doutorado” é o “PhD” do Canadá. Tanto o Master’s Degree quanto o PhD são considerados “graduate studies”, ou, para os íntimos, “grad school”. Bacharelados são considerados não como “cursos de graduação”, como no Brasil, mas como “undergraduate studies”, ou “undergrad”.

O título que foge a essa lógica é o “postgraduate”, que se refere a cursos que são feitos após qualquer graduação – e aqui queremos dizer “conclusão bem-sucedida” -, seja de ensino médio ou de um curso universitário ou college.

Falando em college, esse é um termo que pode confundir muita gente, já que pode ser usado de maneiras diferentes dependendo do contexto. Em conversas informais, quando uma pessoa diz “college” (“when I was in college…”) ela pode estar se referindo tanto a um curso universitário quanto a um curso profissionalizante, realizado em um college propriamente dito. Outras palavras mais genéricas podem ser usadas, como “uni” (para se referir a uma universidade, independentemente do tipo de curso que a pessoa realizou) ou “school” (para se referir a literalmente qualquer tipo de curso, desde ensino fundamental até PhD. Nesse caso, geralmente o que irá definir o contexto será o restante da frase, por exemplo: “I went to school to become a therapist”. Se você sabe que no Canadá psicólogos só podem atuar com um PhD, então “school” está se referindo, na verdade, a “grad school”, ou PhD)

Confuso? À primeira vista todos os conceitos parecem assustadores para quem está na posição de decidir o que estudar. Mas fique tranquilo: dê tempo ao tempo e procure se familiarizar com os termos canadenses: quanto mais informações você tiver, mais fácil será a sua decisão.

Outra informação interessante: “degree” é uma palavra usada para se referir a bacharelado, mestrado e doutorado de maneira ampla (sendo usado no lugar de academic degree). Exemplo: quando uma pessoa pergunta se você tem um “degree”.

 

Statement of Completion, Certificate, Associate Certificate e Diploma

Esses títulos são voltados para cursos que têm, geralmente, duração mais curta quando comparados aos cursos universitários (BA e BSc). São cursos que podem ser oferecidos também por universidades, mas que geralmente são oferecidos por escolas profissionalizantes ou técnicas, ou universidades tecnológicas. Assim como no Brasil, no Canadá as universidades tecnológicas e os cursos técnicos/tecnólogos têm fama de serem mais voltados para o mercado de trabalho e de serem cursos “hands on”, ou seja, com um componente prático muito forte, seja por meio de estágios ou mesmo de colocação profissional.

Um Statement of Completion é concedido ao aluno que se formou em um programa de curta duração. Ele nada mais é do que um documento formal que irá servir para comprovar que o aluno passou por aquele programa de estudos. Um Certificate é fornecido para programas que são intensivos e “hands on”, ou seja, focados em preparação profissional. Um Associate Certificate geralmente se refere a um programa de estudos mais abrangente, que pode contar com matérias que não têm necessariamente a ver com o assunto principal do programa.

Diplomas são como são chamadas as credenciais adquiridas após um período mais longo de estudos, também focando em teoria e prática. São geralmente (mas não sempre) atrelados a programas full time, enquanto que os outros títulos são geralmente atrelados a programas part time, em que os courses (matérias) podem ser realizados na medida da disponibilidade do aluno (geralmente à noite ao aos sábados), devendo ser completados em um período máximo de anos, de acordo com as exigências de cada instituição de ensino.

 

 

Vestibular?

Nem nos Estados Unidos nem no Canadá existe o conceito de vestibular como conhecemos no Brasil. A ideia de fazer uma prova que abrange todas as matérias do ensino médio para aí sim definir se um estudante poderá ocupar uma vaga em uma universidade não funciona por aqui. Em vez disso, o método de ingresso nas universidades se dá através de aplicações, como se você estivesse aplicando para um emprego. Só que diferente, é claro.

Como funciona: assim como no Brasil, no Canadá você pesquisa quais são as suas instituições de interesse, e dá uma olhada nos requerimentos de entrada de cada uma e de cada programa de estudos. Aqui, caso o requerimento principal seja a conclusão do ensino médio, é possível que programas diferentes exijam um desempenho diferente dos candidatos. Assim, o desempenho total ao longo do ensino médio poderá contar pontos valiosos na hora de aplicar para uma vaga em uma universidade, pois cada universidade possui requisitos diferentes para aceitar candidatos. Quanto aos programas, eles podem exigir que você tenha cursado, no ensino médio, matérias eletivas (sim, também existem matérias eletivas no ensino médio) que complementem os seus estudos em ciências aplicadas, por exemplo, caso você esteja aplicando para um programa na mesma área. Além disso, os requerimentos quanto à língua inglesa são bastante rigorosos também, sendo geralmente mais rigorosos nas universidades (BA, BSc e acima) do que para os programas técnicos e tecnólogos.

Cada universidade ou instituição de ensino possui o seu application package, um conjunto de folhetos informativos sobre os cursos e sobre os requerimentos de cada curso, formulários e demais checklists para a aplicação. Em posse desse kit, que geralmente é disponibilizado online (inclusive, a grande maioria das instituições de ensino hoje está realizando suas aplicações 100% online), você pode começar a reunir seus documentos e suas traduções juramentadas, se for o caso, e enviar a sua aplicação, por e-mail ou por correio. A sua aplicação será avaliada e, se você for considerado apto para iniciar os seus estudos, você pode ser convidado para uma entrevista, na qual você deverá “defender” o seu desejo de estudar aquele programa específico naquela universidade específica. Você pode falar sobre os seus objetivos acadêmicos e profissionais, e sobre como a sua parceria com aquela instituição de ensino pode ser benéfica para os dois lados.

As aplicações contam com deadlines, então é importante ficar atento. Cartas de referência de professores (mesmo que do ensino médio) e um portfolio dos projetos que você desenvolveu (dependendo da área) podem ser documentos extras para reforçar a sua aplicação e fazer com que você se destaque da maioria. No caso do mestrado ou do PhD, referências são essenciais, e a aplicação pode ser muito enriquecida através de experiência de trabalho, especialmente em pesquisa científica.

 

Saiba mais sobre como fazer para estudar no Canadá: veja também:

Visto de estudo para o Canadá

Quero estudar e trabalhar no Canadá, como funciona?

Comentários Facebook