Estatísticas sobre a imigração no Canadá

Falamos bastante sobre programas de imigração, dicas para imigrar e razões para se mudar para o Canadá, então que tal falarmos um pouco sobre as estatísticas a respeito dos imigrantes no país?

Imigrar não é uma tarefa fácil. São meses de planejamento, idas ao banco, ao cartório, à universidade, ao tradutor juramentado… Existe também a questão financeira, a economia que é preciso fazer e o planejamento cuidadoso para que as finanças sejam suficientes para cobrir os gastos iniciais com a nova vida no Canadá: essa situação é comum para todo mundo que decide passar pela aventura maravilhosa que é a imigração. A vida fica mesmo de ponta cabeça durante um tempo, e os primeiros dias no novo país são cheios de entusiasmo, mas também de ansiedade. E é com o intuito de aplacarmos um pouco essa ansiedade que bolamos o texto de hoje, para mostrarmos o que acontece por trás dos panos: quais são as características das pessoas que imigram para o Canadá e… como funcionam as previsões quanto aos salários iniciais dos novos residentes!

Este texto é inteiramente baseado em um documento publicado em fevereiro de 2016 pela Statistics Canada, através da Social Analysis and Modelling Division.

Vamos lá!

A mundança nas características dos imigrantes

As décadas de 1990 e 2000 foram decisivas para reformular o que sabíamos até então a respeito de imigração, incluindo tanto as regras sobre a imigração para o Canadá quanto as estatísticas a respeito das características dos imigrantes. Esses dois fatos são relacionados, uma vez que é possível controlar, de certa forma, alguns conjuntos de características da população que entra no país através das mudanças no processo seletivo. Um exemplo disso é o nível educacional. Com cada vez mais programas de imigração exigindo que os candidatos possuam uma certa escolaridade, é natural que o Canadá passe a ter a tendência de atrair imigrantes mais qualificados.

As mudanças realizadas nos requisitos de admissão para os novos imigrantes a partir dos anos 1990 foi realizada em parte para que os novos imigrantes pudessem ser mais bem-sucedidos em seu primeiro emprego em solo canadense, fazendo com que seus salários iniciais fossem também mais atraentes. O termo utilizado pela Statistics Canada para isso é entry earnings, ou seja, o salário recebido pelos novos imigrantes durante os primeiros 2 anos no Canadá.

Sabendo que existem algumas diferenças que fazem com que os imigrantes se destaquem de outras pessoas que buscam emprego, como o domínio da linguagem e alguns costumes culturais, a exigência, por parte do governo canadense, de um maior nível educacional e de maior tempo de experiência profissional busca atrair para o país imigrantes que sejam competitivos e que possam desde cedo contribuir para a economia e para a sociedade.

E foi exatamente no quesito experiência profissional que a maior mudança aconteceu em termos de características: a partir dos anos 2000, o número de imigrantes que já havia tido experiência de trabalho canadense anteriormente à conquista da residência permanente aumentou drasticamente. Esse aumento foi sentido especialmente em imigrações realizadas através de Provincial Nominee Programs (PNPs) na parte oeste do Canadá.

PNPs são os programas de imigração organizados pelas províncias canadenses a fim de atrair mão de obra que possa fortalecer a economia de cada região, sendo que cada província e território tem liberdade para estabelecer os seus próprios requisitos para atrair os imigrantes que mais terão chances de contribuir para o seu crescimento econômico.

Com experiência de trabalho canadense, o candidato à imigração possui uma vantagem a mais para obter sucesso em sua aplicação, já que sua experiência profissional (e também seu profissionalismo, sua ética, suas tarefas, etc.) pode ser mais facilmente comprovada pelos empregadores no momento de um processo de contratação. Isso, inclusive, é uma característica muito comum por aqui: as empresas que estão considerando contratar um determinado candidato realmente têm o costume de entrar em contato com empresas em que esse candidato trabalhou anteriormente para conhecer um pouco mais a respeito do possível novo funcionário, além de verificar os fatos, como, por exemplo, se o candidato realmente trabalhou lá, exercendo o cargo que diz ter exercido.

 

 

Tendências quanto aos salários iniciais

Segundo o estudo realizado pela Statistics Canada, fatores como diferenças nas características dos imigrantes (maior nível educacional e experiência de trabalho canadense prévia) são fatores importantes a serem considerados quando falamos em salários iniciais, porém não podemos esquecer que o sucesso dos novos residentes permanentes também irá depender em grande parte do estado da economia canadense no momento em questão.

No início da década de 2000, por exemplo, o Canadá passou por um período único em sua história em termos dos salários iniciais dos novos imigrantes. O período de recessão econômica nos primeiros anos da década de 2000 foi suave comparado com períodos anteriores, tendo o desemprego aumentado em apenas 1 ponto percentual, comparado ao aumento de 4 pontos percentuais no início das décadas de 80 e 90. Porém, ainda assim os salários iniciais para imigrantes do sexo masculino apresentaram uma queda acentuada, caindo para 17% em geral e 23% para imigrantes com formação universitária. Para as mulheres, os salários iniciais permaneceram constantes durante os anos de 1980, 1990 e 2000.

Além disso, em 2002 os ganhos iniciais dos novos imigrantes com formação universitária não foram considerados significativamente maiores do que os ganhos de novos imigrantes com ensino médio completo. Essa diminuição nos ganhos iniciais se deu em grande parte devido à explosão no setor da tecnologia da informação (TI), sendo que uma grande porcentagem de novos imigrantes trabalhava em ocupações em engenharia e ciência da computação. Esse fenômeno se normalizou no final da década de 2000, quando a expansão da economia canadense fez com que os imigrantes com formação universitária voltassem a ter a tendência de ganhar mais em seus 2 primeiros anos em solo canadense.

Para visualizarmos melhor as diferenças em termos de educação, em 1988 a porcentagem de imigrantes com nível educacional correspondente a menos do que o ensino médio completo era de 17.6% para os homens e 20.1% para as mulheres. Em 2010, esse percentual caiu para apenas 8.2% para os homens e 7.4% para as mulheres. Quando comparamos a quantidade de novos imigrantes com formação universitária (bacharelado) para o mesmo período, podemos perceber um aumento considerável: de 18.6% em 1988 para 32.4% em 2010 para os homens, e de 15.1% em 1988 para 41% em 2010 para as mulheres. As diferenças também são acentuadas quando vemos os números referentes à porcentagem de imigrantes com mestrado ou doutorado, tanto para homens quanto para mulheres.

 

Províncias e cidades de interesse

A imigração é um fenômeno que afeta a economia do país como um todo, mas não podemos esquecer que existem certas províncias e regiões que são preferidas pelos imigrantes. Essa preferência se dá, dentre outras razões, por conta da existência (ou da probabilidade) de maiores oportunidades de emprego e/ou estudos. E é fato que maiores cidades possuem mais oportunidades de emprego, simplesmente por serem grandes o suficiente para conterem várias empresas e indústrias.

As províncias preferidas pelos novos imigrantes em 2010, que é ano mais recente compreendido pelo estudo realizado pela Statistics Canada, são Ontário, Québec e British Columbia.

Ontário fica em primeiro lugar como a província preferida, sendo escolhida como local de residência por 39.9% dos novos imigrantes, tanto homens quanto mulheres. Em segundo lugar temos Québec, que fica com uma fatia equivalente a 17.85% dos novos imigrantes, e por fim temos BC, com 15.75% dos novos residentes permanentes chegados em 2010 no Canadá. As três províncias juntas somam 73.5% do total dos imigrantes recém-chegados, sendo que o restante é dividido entre as outras províncias e territórios, com ênfase especial para Alberta, com 15.35% dos novos residentes, e para Manitoba, que ficou com 6% dos novos residentes permanentes. Como curiosidade, a província menos preferida pelos novos imigrantes chegados em 2010 é Prince Edward Island, que ficou com apenas 0.2% dos recém-chegados.

 

De onde vêm os imigrantes

De acordo com os dados disponíveis a respeito dos residentes permanentes que chegaram no Canadá em 2010, a grande maioria dos imigrantes vêm da Ásia, correspondendo a 58% do total. Quanto às regiões específicas do continente asiático, os números variam bastante: para mulheres, é mais comum que os países de origem sejam localizados na parte sudeste do continente (26.3% do total de imigrantes do sexo feminino), enquanto que para os homens a parte sul do continente é mais comum como sendo a região de origem (20.6% dos imigrantes do sexo masculino). Logo em seguida à Ásia está a África, como o continente de onde vieram 13.5% do total dos novos imigrantes em 2010. Caribe, América Central e América do Sul foram agrupados em uma só categoria, sendo responsáveis por 11.6% do total dos novos imigrantes.

 

Quer saber mais sobre imigração para o Canadá? Entre em contato conosco!

 

Leia também:

Entenda a diferença entre PR e cidadania

 

 

Comentários Facebook