Muita gente sonha em estudar, trabalhar e morar no Canadá. Muita gente também sonha em ter filhos um dia. O que acontece quando essas duas coisas se sobrepõem e o casal engravida no Canadá? Quais são os direitos do casal com relação a licença parental, planos de saúde, consultas pré-natais, e, mais importante, como funciona realizar todo o planejamento necessário para a chegada do bebê?

Nós já abordamos a questão da licença parental neste post, em que explicamos de forma detalhada a respeito de quem tem direito à licença e a respeito da duração da licença.

Nos últimos tempos também falamos sobre filhos aqui, aqui e aqui.

Desta vez, bolamos esta pequena série, com apenas dois textos, para falarmos um pouco dos assuntos que ainda não abordamos em nossos posts: a questão da gravidez, e a questão das consultas médicas.

Hoje vamos falar um pouco sobre a gravidez em si. Para isso, convidamos a querida Isana Santana, futura mamãe e completamente apaixonada pelo bebezinho que cresce a cada dia em sua barriga, para fazer uma entrevista conosco e falar um pouco sobre a experiência dela a respeito de sua gravidez aqui no Canadá. Residente temporária no Canadá e aplicante do Express Entry com o auxílio da Immi Canada, Isana faz parte do time de suporte da 3RA Intercâmbio, e veio para o Canadá com seu marido George Luiz em 2014.

 

Immi – Por que vocês escolheram vir morar no Canadá?

Isana – Meu marido George concluiu a high school em 1997 em Tacoma, uma pequena cidade pertinho de Seattle [nos EUA]. Voltou ao Brasil para estudar TI e sempre pensou em voltar para a América do Norte, até porque já tinha conhecidos por perto. Nosso planejamento de vir morar no Canadá, especificamente em Vancouver, começou em 2013, e em 2014 aqui estávamos. Como todo o começo para quem muda de país, a parte mais complicada foi administrar a saudade que sentimos dos nossos familiares e amigos. Com o passar dos meses fomos fazendo novas amizades, estudando e trabalhando, admirando esse lugar incrível, e hoje pensamos em criar nosso futuro bebê aqui, em Vancouver.

 

Immi – Você está grávida de quantos meses?

Isana – Estou grávida de 20 semanas, metade da gestação!

 

Immi – A gravidez mudou alguma coisa no seu planejamento inicial e de seu marido com relação à vida aqui no Canadá?

Isana – Já estávamos planejando um bebê, pois, como costumo brincar, mulher tem aquele reloginho biológico que quando diz “É hora de ser mamãe”, ninguém segura [risos]. Na verdade o que me preocupava era o fato de eu estar com 34 anos e o meu sonho de ser mãe já não poderia mais ser adiado. Claro que aguardamos um período, 1 ano e meio, desde que chegamos até eu de fato engravidar, pois gostaríamos de estar bem adaptados e estruturados para isso. Alugamos um apartamento de dois dormitórios e estamos preparando tudo com muito carinho. Em relação ao trabalho e estudos, vida que segue, tudo normal.

 

Immi – Como funcionam as consultas médicas do pré-natal aqui no Canadá?

Isana – O primeiro passo quando decidi engravidar foi fazer o pré-natal. Eu procurei uma médica de família do MSP [medical services plan] e desde a primeira consulta correu tudo bem. Ela me solicitou exames e logo me receitou o ácido fólico. Parei a pílula em abril e em julho já estava grávida! A partir desse momento as minhas consultas passaram a ser mensais com a médica de família, e somente agora, com 5 meses, é que fui orientada pela minha médica a fazer consultas com uma obstetra, que é quem fará o meu parto.

 

Immi – O que é diferente do Brasil no que diz respeito às consultas médicas?

Isana – A médica de família acompanha a paciente em todos os aspectos, e ela só vai recomendar um especialista se o procedimento a ser feito com a paciente for bem específico, necessitando mesmo de um especialista na área, como no caso de um parto. No consultório, todos os exames de rotina, toda a avaliação da paciente e todo o tratamento é oferecido de forma eficaz. Os resultados dos exames vão do laboratório direto para o médico, e isso de certa forma é excelente porque os pacientes não ficam “interpretando” resultados antecipadamente e tirando conclusões precipitadas, como já vi acontecer no Brasil.

 

Immi – O que mais chamou a sua atenção nas suas consultas com a médica de família?

Isana – Quando descobri a gravidez, a primeira pergunta da médica foi chocante. Ela disse: “Isana, quais são seus planos?”, eu não entendi a pergunta e indaguei: “Meus planos?”, e ela disse: “Você vai continuar a gravidez ou não?”. Eu, meio desconcertada, respondi que sim, que como ela mesma sabia era um sonho pra mim. Só então ela finalizou: “Esta pergunta é um procedimento padrão. Como o aborto no Canadá é legalizado, eu tenho o dever de te perguntar, mesmo sabendo que você estava planejando”. Então ela me abraçou e disse: “Felicidades!”.

 

Immi – Isso é muito interessante, e uma novidade para os brasileiros, com certeza. E sobre os exames de ultrassom? Você notou alguma diferença entre o Brasil e o Canadá?

Isana – Uma questão bem diferente do Brasil é a questão de saber o sexo do bebê, e até mesmo a quantidade de ultrassons realizados é diferente. No Brasil, a mulher normalmente já pede para saber o sexo do bebê, por um exame de sangue, logo nos primeiros meses de gravidez. O número de ultrassons que as grávidas fazem é maior do que aqui no Canadá. Quando eu falei para a minha médica que eu gostaria que ela me desse um pedido para fazer o exame e saber o sexo do meu bebê, ela disse que não poderia fazê-lo. Ela explicou mais uma vez que, por conta de o aborto ser legalizado e de que pessoas de algumas culturas, ao saberem o sexo do bebê, pedirem para tirar, é somente entre a 20ª e a 22ª semana de gestação, ou no segundo ultrassom (morfológico) que o sexo do bebê é finalmente dito. Ah, e não é dito pela pessoa que realiza o exame, mas na sua consulta de retorno com o médico! Imagina a ansiedade!

 

Immi – Deve dar uma ansiedade muito grande mesmo! Ainda bem que no seu caso já está quase na hora de fazer esse segundo ultrassom! Existem outros serviços de saúde a que você tem direito durante a gravidez, tipo sessões de fisioterapia, psicologia, nutrição?

Isana – Tudo o que uma paciente necessita durante a gestação pode ser fornecido pelo governo. Desde que devidamente acompanhada por um médico do MSP, todo o suporte necessário será fornecido. Como sou mãe de primeira viagem, foi sugerido que eu participasse de grupos de gestantes e de nutrição, em que aprendo muitas coisas interessantes não somente para utilizar na gravidez mas também sobre como lidar com o bebê nos primeiros anos de vida. Eu soube de uma amiga que recebeu do governo uma máquina de tirar leite materno (pois ela estava com dificuldades para amamentar). Acredito que serviços de fisioterapia, psicologia, terapia ocupacional, dentre outros, seriam indicados se houvesse necessidade. O sistema de saúde no Canadá é mesmo um exemplo, na minha opinião.

 

Immi – Na nossa também [risos]! Você já fez algum planejamento para o nascimento, como escolher o pediatra e a maternidade? Se sim, como funciona esse planejamento aqui no Canadá?

Isana – A obstetra foi indicada por um amigo. Passei o nome dela para a minha médica de família, e foi ela quem me orientou a iniciar as consultas com a especialista. Serei atendida no hospital onde a minha obstetra é cadastrada: o BC Women’s Hospital. Quando o bebê nascer, ainda não sei se o atendimento será com a minha médica de família ou se um pediatra irá atendê-lo. Estou seguindo o sistema de saúde, conforme me orientam, e tem dado tudo certo!

 

Immi – Que bom! Poder confiar no sistema de saúde deve ser muito tranquilizador, ainda mais com um planejamento tão lindo como o seu! Isana, muitas pessoas que entram em contato conosco, seja de forma particular ou pelas mídias sociais, nos perguntam sobre a questão da cidadania do bebê, e se ter um bebê no Canadá “facilita” de alguma forma para os pais conseguirem a residência permanente ou a cidadania. O que você pode nos dizer sobre isso?

Isana – Meu bebê será canadense e terá todos os direitos de um cidadão canadense, mas isso não muda nada para os pais. Não é possível obter PR ou cidadania só por ter um bebê no Canadá. Eu e meu marido estamos estudando, trabalhando e dando continuidade ao nosso processo do EE, auxiliados pela equipe da Immi, e nunca pensamos no bebê como uma possível porta de entrada no Canadá. Estamos realizando um sonho pessoal, indepentemente do nosso status no país.

 

Immi – Isso é muito importante enfatizar. O nascimento de um bebê em solo canadense não muda em nada o status dos seus pais, não confere residência permanente nem cidadania. Independentemente de ter um bebê no Canadá, é preciso passar por um programa de imigração para adquirir o status de residente permanente no Canadá. Uma outra curiosidade que as pessoas têm é sobre a licença maternidade aqui no Canadá. Como funciona?

Isana – Nessa questão eu não tenho certeza [risos]. Acho que a licença é de 35 semanas, e pode ter uma diminuição no salário. Sei que o pai também tem direito a tirar uma licença quando nasce o bebê. Além da licença maternidade, o governo canadense pode oferecer uma ajuda financeira para a criança, que vai depender da renda da família.

 

A licença parental total no Canadá pode ser de até 50 semanas, sendo a licença maternidade de no máximo 15 semanas, que podem começar até 8 semanas antes da data prevista para o nascimento do bebê, e a licença parental de no máximo 35 semanas, da qual ambos os pais podem se beneficiar, em alternância, podendo dividir esse tempo entre si como desejarem.

Durante o período de licença, o salário pode sim ser reduzido, e caso seja reduzido em mais de 40%, a pessoa pode ser elegível para participar de benefícios do governo. Para saber mais, siga o link para o nosso post sobre a licença parental.

 

Se você quiser saber mais sobre como a gravidez pode influenciar o seu programa de estudos ou trabalho no Canadá, dê um olhada no nosso vídeo explicativo com a Celina Hui, publicado em maio deste ano.

 

A seguir, “Ser mamãe no Canadá: como funciona? [Parte II]”: consultas médicas durante a gravidez.

 

Aproximadamente 5 dias depois da nossa entrevista, Isana nos deu a notícia que tanto esperávamos: ela está esperando uma menininha! Parabéns Isana e George! A equipe Immi Canada deseja a vocês toda a felicidade do mundo!

Comentários Facebook