Você já leu o nosso texto Serviços para imigrantes no Canadá (Parte I)? Se a resposta for não, sugerimos começar por lá! Nesse primeiro texto nós falamos bastante sobre o Career Zone, que fica em Vancouver e é um centro facilitador especialmente destinado a quem procura por um emprego. Nesse texto você também pode encontrar a entrevista que fizemos com Hilary Steinberg, que é Case Manager, ou orientadora de carreira, para o Career Zone. O centro é oferecido pelo WorkBC Employment Services Centre, da YWCA Metro Vancouver, e auxilia job seekers em BC até 30 anos de idade. Mas não se engane: também existem serviços semelhantes para quem tem mais de 30 anos.

Sabemos que um dos maiores desafios para os novos imigrantes é exatamente a busca pelos primeiros empregos, ou “bridging jobs”, como são chamados os primeiros trabalhos que o novo imigrante encontra até que consiga a experiência e as qualificações necessárias para conseguir a recolocação em sua área profissional. Essas qualificações mudam muito de profissão para profissão, como é o caso das profissões regulamentadas, por exemplo, que exigem uma licença profissional para a atuação: o órgão regulador, específico para cada profissão e para cada província canadense, exige dos candidatos um certo número de critérios para que possam aplicar para uma licença.

Independentemente de a sua profissão ser regulamentada ou não, e independentemente de qual província você escolher para morar, você muito provavelmente irá passar pelos mesmos passos comuns à grande maioria das pessoas que procuram por um emprego: procura por vagas, redação de currículo, carta de apresentação, e entrevistas. Hoje vamos contar quais foram as dicas finais da Hilary em nossa entrevista, falando exatamente sobre esses itens comuns a todos os job seekers. Confira!

 

Immi Canada: O que faz com que um currículo e uma carta de apresentação saltem aos olhos de um possível empregador em BC?
Hilary Steinberg: As pessoas que são responsáveis pela contratação dedicam uma média de 6 segundos para cada currículo, então é imperativo que todas as competências e a experiência do candidato sejam apresentadas de uma maneira clara. A dica mais importante que eu posso dar é: adeque o seu currículo à vaga específica. Somente listar as suas habilidades e a sua experiência não é suficiente. Um bom ponto de partida é prestar atenção nas características descritas no anúncio do emprego. Tudo o que está contido no seu currículo deve ser relevante para essa vaga e para essa empresa. As habilidades listadas no anúncio vão fornecer dicas valiosas do que o empregador está buscando e do que você deve colocar no seu currículo. Isso é especialmente verdadeiro se a empresa para quem você está mandando o currículo faz uso de softwares que selecionam currículos através de palavras-chave. A formatação também é importante. O seu currículo deve estar bem legível e fácil de compreender. Negrito e sublinhado são ferramentas que você pode usar para destacar cada seção. Por último, é essencial fazer uso de “accomplishment statements”, ou frases que explicam as metas mais importantes que você alcançou em cada emprego anterior. Essas frases são compostas por um verbo forte, a tarefa pela qual você foi responsável, e o resultado. Essas frases são muito mais eficientes do que uma lista de funções, porque elas não simplesmente servem para identificar as suas habilidades, mas também demonstram como você utilizou cada habilidade para atingir uma meta favorável.

Immi: Existe alguma informação que deve ser deixada de fora de um currículo ou de uma carta de apresentação, e por quê? Por exemplo, no Brasil encontramos currículos que informam idade, estado civil, etc.
Hilary: Qualquer informação pessoal que um empregador possa usar como base para discriminação deve ser deixada de fora de um currículo e de uma carta de apresentação, e isso inclui idade, sexo, estado civil, nacionalidade e religião. Fotos também não devem ser colocadas nos currículos, a menos que a vaga seja na indústria do entretenimento [ex.: ator/atriz, modelo, etc.]. Qualquer informação que não seja relevante para a vaga ou para a empresa em questão deve ser deixada de fora. Na medida em que avançamos em nossas carreiras, os empregos que tivemos no passado (10 anos ou mais) se tornam menos importantes, e também podem ser deixados fora do currículo.

Immi: Você gostaria de oferecer algumas dicas ou recomendações gerais para os recém-chegados no Canadá?
Hilary: Antes de mais nada, eu acredito que é importante para os recém-chegados buscarem programas de empregabilidade logo que chegarem. Como eu mencionei anteriormente, o processo de busca por um emprego pode ser muito solitário. Dessa forma, é importante que a pessoa se envolva e se certifique de que a sua busca por emprego seja ativa ao invés de passiva, através de atividades de networking com profissionais da área, e também através de networking com outras pessoas que estão em busca de emprego. Em segundo lugar, eu acredito que é importante que os novos imigrantes tenham mais de um tipo de emprego como objetivo para sua busca original, para o caso de o plano original não dar certo logo de primeira. É muito comum que novos imigrantes aceitem um “bridging job” ou emprego intermediário enquanto continuam buscando por uma vaga em sua área de interesse. Um emprego intermediário é uma vaga que de alguma forma tem a ver com a área de experiência do candidato, permitindo que ele desenvolva uma rede de contatos profissionais e adquira experiência de trabalho canadense. Por último, eu considero importante que os novos imigrantes se envolvam em outras atividades disponíveis em suas comunidades, seja voluntariado, ou participar de um clube ou grupo de meet up, ou participar de um comitê. É importante que os candidatos se envolvam dessas outras formas para que se sintam conectados e apoiados por outras pessoas.

 

Nossa entrevista com a Hilary foi realizada em inglês e traduzida para os nossos leitores. Você pode conferir o relato original, em inglês, seguindo este link.

 

 

Outro tópico interessante que nos vêm à mente quando falamos de busca por emprego no Canadá é o tal do hidden job market, ou mercado de trabalho oculto. Trata-se de uma grande quantidade de vagas que acabam não sendo publicadas pelos meios tradicionais (jornais, sites de busca, etc.) por um simples motivo: a grande maioria dos empregadores está interessado em não correr riscos e em não gastar um grande valor com entrevistas para preencher uma vaga. Isso é especialmente verdadeiro quando a vaga em questão exige maior experiência do candidato, e quando o futuro profissional terá um cargo que exige altos níveis de responsabilidade. Por esse motivo, do ponto de vista do empregador, vale muito mais a pena entrevistar somente candidatos selecionados a dedo, que sejam conhecidos por ele ou por pessoas nas quais ele confia.

Mas se essas vagas ocultas não são divulgadas, como se faz para se ter uma chance de desbravar essa parte do mercado de trabalho? É exatamente nesse ponto que entra uma das dicas mais valiosas da Hilary em nossa entrevista: network! Fazer contatos com profissionais da área (possíveis empregadores) e com outras pessoas que buscam emprego (quem sabe eles sabem de uma vaga que não lhes interessa mas pode interessar a você?) é uma parte muito importante da busca por emprego, principalmente em cidades menores e cidades cuja cultura dá muito valor aos relacionamentos interpessoais, como Vancouver, por exemplo. É através da sua rede de contatos profissionais que você pode conseguir referrals, ou indicações. A expressão “QI – Quem Indica” soa meio boba, mas nem por isso deixa de ser verdadeira.

A sua rede de contatos profissonais também pode crescer através da participação em vários tipos de atividades, incluindo programas de empregabilidade. Se você tem interesse em participar dos programas oferecidos pelo Career Zone, por exemplo, é preciso observar alguns requerimentos: somente as pessoas que estão desempregadas ou “underemployed” (trabalhando menos do que 20 horas por semana) e que não estejam recebendo benefícios do governo podem participar desse programa.

O programa conta com vários workshops que ensinam como preparar um currículo e uma carta de apresentação no estilo canadense, além de ensinar sobre estratégias para a procura e a conquista de um emprego. Candidatos têm acesso a livros sobre profissões, computadores conectados à internet, wifi, impressora, scanner e copiadora, e também podem agendar sessões particulares de orientação com profissionais treinados na área de desenvolvimento de carreira, como a Hilary. Tudo de maneira gratuita, se você se qualificar para participar. Durante as sessões individuais, por exemplo, é possível treinar para entrevistas de emprego e também discutir sobre interesses, preferências, oportunidades educacionais e de trabalhos voluntários, além de tirar muitas dúvidas a respeito de como funcionam as coisas no Canadá com relação a estudos, desenvolvimento de carreira, ambientes de trabalho, e muito mais.

Como mencionamos amteriormente, programas de empregabilidade existem por todo o Canadá. O motivo para serem gratuitos? Para o país, vale a pena oferecer programas financiados pelo governo para auxiliar os cidadãos e residentes permanentes a conseguirem um emprego e, assim, contribuírem da melhor maneira possível com a economia da região. Sobre os programas oferecidos pelos governos provinciais, todos têm características em comum: auxiliam com orientação de carreira, busca por emprego, treinamento para entrevistas de emprego, auxílio na redação de currículo, cartas de apresentação, e tudo o que já mencionamos anteriormente.

Para saber um pouco mais sobre os serviços oferecidos nas outras províncias canadenses, basta seguir as informações abaixo:

 

 

  • Manitoba: o governo de Manitoba também oferece programas para quem procura por emprego. Esses programas são conhecidos como Training and Employment Services, e estão distribuídos em 13 centros por toda a província. Lá, é possível se beneficiar de serviços como avaliação de competências profissionais, orientação profissional e de carreira voltada para empregabilidade, e fazer uso de vários recursos disponíveis, tais como auxílio na redação de currículo e cartas de apresentação.

 

 

Quer saber mais sobre programas de imigração para o Canadá?  Entre em contato conosco!

 

 

Comentários Facebook