Quem já passou por situações de mudança na vida, como mudança de casa, de bairro, de cidade, sabe que mudar nem sempre é fácil. Às vezes levamos conosco alguns desejos, algumas dores, algumas saudades. Quem já se mudou para um outro país, então, conhece a verdade: imigrar nem sempre é fácil.

É importante notar que diferentes pessoas vão experimentar essa aventura de formas diferentes também. Assim, por exemplo, pessoas que são mais aventureiras ou que não têm laços muito fortes com a família ou com o país de origem podem experimentar a imigração como não sendo tão difícil. Agora, no caso de pessoas que são muito ligadas à família e que têm muitos laços fortes com o país de origem, se ver longe de tudo isso pode ser um desafio em si. Mas isso não significa que é impossível. Muito pelo contrário, é um momento muito rico em que cada pessoa terá a oportunidade de avaliar os seus objetivos e o seu bem-estar, e adaptar essa experiência maravilhosa de acordo com as suas prioridades!

No texto de hoje vamos falar um pouco sobre uma questão que é sempre muito bem-vinda nas redes sociais e também em conversas informais do dia a dia: a adaptação! Vamos falar um pouco da cultura canadense e como ela difere da brasileira, e vamos falar também sobre alguns pontos principais que pegam quando o assunto é imigrar sozinho versus imigrar com a família.

 

A cultura canadense

Conhecemos muito a cultura norte-americana através dos filmes de Hollywood. Tem algumas coisas que chamam a nossa atenção como sendo diferentes, como por exemplo a presença de roommates, o cafezinho no copo de papel que as pessoas carregam consigo o tempo todo, as roupas de inverno, as casas sem portão.

No geral, e principalmente para quem nunca veio para estes lados, parece que é uma cultura que, no fundo, não é muito diferente da brasileira. Hmm… será?

O Canadá é bem parecido com os Estados Unidos em muitos aspectos, principalmente naqueles que escrevemos ali em cima. Coffe shops ou cafés são extremamente populares por aqui, estando presentes em todas as esquinas. E para onde quer que você olhe, sempre vai ter alguém segurando um copo de café.

Os roommates são parte do dia a dia dos adolescentes e jovens adultos, já que dividir o aluguel com alguém, principalmente enquanto se está na universidade, é uma alternativa muito bem vista. Falando em universidade, aqui a mudança para outra cidade ou outra província em busca da melhor universidade ou das melhores vagas de trabalho é bem mais comum do que no Brasil, sendo que os jovens adultos por aqui tendem geralmente a ir morar sozinhos por volta dos 18 ou 19 anos. Isso não é regra, no entanto, mas é fato que é raro encontrar por aqui uma pessoa com seus 23, 25 anos que ainda more na casa dos pais, enquanto que para nós, brasileiros, isso é uma prática muito comum.

Quem já ouviu um gringo falando sobre os brasileiros provavelmente sabe que, aqui fora, os brasileiros são vistos como muito amigáveis e calorosos, que são falantes e sempre abertos a novas amizades. Os gringos, por outro lado, são vistos como mais fechados. E isso é verdadeiro também aqui no Canadá: os canadenses geralmente são mais fechados, sim.

No entanto, canadenses têm uma fama muito grande de serem um povo extremamente educado, e isso também é verdadeiro. Claro que não podemos generalizar, afinal, assim como em qualquer lugar, existem pessoas de todos os tipos, mas é fato que a grande maioria dos canadenses irá parar para ajudar um turista perdido.

Canadenses não são pessoas rígidas, e já saem chamando você pelo seu primeiro nome, mas em compensação não costumam abraçar e beijar pessoas que acabam de conhecer, o que, para nós, é uma prática comum.

 

A segurança

Quem dera que, no Brasil, pudéssemos levar o nosso laptop para qualquer lugar e usá-lo tranquilamente no metrô!

No Canadá isso não só é possível como também é bem comum. É só ir ao Starbucks da esquina para ver pelo menos 3 pessoas com seus laptops de última geração. No verão, não é preciso ir muito longe de casa para ver pessoas tomando banho de sol nos parques, com suas mochilas, celulares e carteiras no chão, sem problemas.

Mas a segurança não vem só de leis mais rigorosas ou da maior presença dos policiais. A segurança é um produto da cultura canadense como um todo. Ninguém pega o que não é seu, e todos respeitam o espaço alheio. Ninguém se atropela para pegar lugar no metrô, ninguém sai correndo para não pegar fila. Os serviços também são eficientes, e o canadense sabe que quando chega a sua vez é melhor fazer rapidamente o que se tem que fazer, para que a próxima pessoa não precise esperar muito na fila.

Essas características da cultura parecem não ser muito importantes, mas na verdade são essas pequenas coisas do dia a dia que acabam gerando uma sensação de bem-estar e felicidade.

 

As línguas

Nem sempre as pessoas que falam que não conseguiram se adaptar ao Canadá levam em consideração um fator crucial: a fluência na linguagem!

Imagine se um gringo fosse morar no Brasil. Ele provavelmente teria mais amigos e mais oportunidades se falasse português, certo? Quanto maior sua facilidade com o português, mais integrado à cultura e às pessoas ele poderia ser, certo?

Funciona exatamente da mesma forma aqui no Canadá. Quem não tem fluência no inglês (ou francês, para Québec), com certeza não vai se sentir tão inserido na cultura quanto poderia caso fosse mais fluente no idioma. É claro que nem todos os brasileiros nascem sabendo falar inglês, e muitas pessoas chegam no Canadá com pouco domínio da língua, e isso é normal. Mas praticar o idioma no dia a dia, fazer amizade com falantes do inglês e participar de grupos de conversação, dentre outras coisas, são atividades que todos nós podemos fazer para que a fluência no inglês venha em pouco tempo. E o melhor: essas atividades são todas gratuitas.

 

E as crianças?

 

 

Para quem imigra com a família, uma das grandes preocupações é com as crianças. Em particular, como elas irão se adaptar ao novo país, aos novos amiguinhos, ao novo idioma?

Para os pais preocupados, temos boa notícias!

Um estudo realizado na UNIFESP, em São Paulo, e publicado no início do ano passado, sugere que a aquisição de um novo idioma influencia positivamente as habilidades cognitivas das crianças. Basta realizarmos uma busca simples no Google Acadêmico para verificarmos que muitos outros estudos realizados ao redor do mundo também confirmam esse achado: crianças  que são expostas a mais de uma linguagem desde cedo apresentam vantagens em termos de aprendizagem e também em tarefas como solução de problemas e pensamento lógico, em comparação a crianças que falam somente um idioma.

O inglês é a língua universal no mundo moderno. Quem participa de fóruns online, por exemplo, sabe que a língua mais falada é o inglês. Quem já viajou para outros países e não sabia falar a língua local provavelmente descobriu que podia também se comunicar em inglês. Quem foi para a faculdade sabe que a maioria dos artigos científicos de qualidade são escritos em inglês, e que o inglês é a língua mais escolhida para os abstracts, ou resumos, de trabalhos e artigos científicos. Quem já fez intercâmbio sabe que a grande maioria das universidades que aceitam estudantes estrangeiros são de língua inglesa.

Com todas essas considerações, não é difícil chegar à conclusão de que expor a criança a um segundo idioma, particularmente o inglês, só irá trazer benefícios. Além disso, crianças não têm o histórico de experiências de vida que nós adultos temos. Você já ouviu falar sobre como é fácil para as crianças aprenderem novos conceitos e novas línguas, em comparação aos adultos? Isso se deve ao fato de que cérebros jovens são extremamente plásticos, ou, em outras palavras, geralmente é mais fácil para as crianças aprenderem coisas novas e encararem novas experiências como apenas mais uma parte da vida do que é para nós, adultos, que muitas vezes somos acostumados com uma única maneira de fazer as coisas.

Quanto aos amiguinhos, a criança não necessariamente irá perder o contato com eles. Não podemos esquecer que os pequenos são muito mais antenados no mundo virtual do que nós, e as redes sociais são muito úteis para fortalecer as amizades também. As novas possibilidades que se abrem quando nos mudamos para um outro país são imensas, inclusive na questão das amizades.

Quanto à adaptação em geral e ao possível estresse da mudança, quem estudou um pouco de psicologia infantil sabe que as crianças baseiam o seu comportamento nos padrões que percebem de seus pais (ou dos adultos com quem têm mais contato). E crianças são atentas, também, então logo percebem quando algo de diferente está acontecendo. Assim, uma criança que simplesmente é levada para um avião sem saber o porquê provavelmente não irá gostar da ideia, mas isso será bem diferente no caso dos pais que explicam o que está acontecendo, falam sobre os motivos da mudança de uma forma que a criança entenda, oferecem uma ideia de como será o futuro, e, mais importante, agem de forma tranquila e alegre, encarando a nova aventura como um sonho que está se tornando realidade… essas crianças provavelmente irão encarar a nova experiência de uma maneira muito mais saudável e despreocupada.
Em suma, não existe nenhuma receita mágica para a adaptação à vida no Canadá. Nem para os adultos, nem para as crianças. O que existe é a possibilidade de fazermos o máximo para aproveitarmos essa experiência da forma mais enriquecedora possível, e isso significa sair da zona de conforto e experimentar coisas novas! Afinal, se não quiséssemos nada diferente, ficaríamos no Brasil mesmo, certo?

 

Para saber mais sobre imigrar com crianças, você pode ler artigos como este.

 

Quer saber mais sobre imigrar para o Canadá? Entre em contato conosco!

 

 

Comentários Facebook